sexta-feira, 15 de novembro de 2019

TÍMIDOS


Gosto dos homens tímidos. Aqueles que se atrapalham e aceleram quando deviam frear. Que se surpreendem falando mais do que deviam quando queriam calar. A voz sobe na tentativa de abafar o coração, batendo mais alto. Aqueles que temem uma mulher porque sabem do que ela é capaz quando ela o deseja porque ele a deseja. Assim de rabo de olho, basta um faiscar. 


Gosto desse jogo tímido onde os dois roubam e se fazem de desentendidos. Homens introvertidos que mandam bombom e poesia numa aparente cortesia. De amizade, de cavalheirismo, para não se comprometer. E desiste porque seria muito complicado e também nem tem tanta certeza assim de que é correspondido, ou quem sabe assustou a moça quando acelerou em vez de frear. 

Gosto desses homens que tecem o tempo e aguardam o momento propício para jogar a isca outra vez. E dizem que te acham o máximo, especial, única. E dizem isso desviando os olhos, inventando metáforas, engolindo as sílabas. E eu preciso ser delicada, respeitar seu tempo, gerar confiança. Para que ele saiba que não sou uma louca, uma destruidora de lares, que não vou dar bandeira, atrapalhar sua vida. 

E eu fico pensando como fazer isso sem parecer desinteresse. A alquimia certa, a hora certa. Enquanto espero meu corpo estremece pensando nele. Sei que um homem tímido custa a se entregar porque teme que eu seja um rio ou um mar traiçoeiro, com correntezas que o arrastem para longe da terra firme. 

Uma mulher pode destruir um homem. Sei do que são capazes. Querem transformá-lo no que ele não é. Cobram do tímido que não o seja. Que seja atirado, falante, ousado. Estão presas ao senso comum. Não suportam seus silêncios e quietude. Seus avanços e recuos. Sua vasta e intensa vida interior. Sua vontade de ficar em casa viajando pra dentro

Mas, aos poucos, ele mergulha, boia, mergulha outra vez. E sente que eu o acolho, refresco, o faço mais leve. Que sou a água que deve ser uma mulher. Para matar sua sede, lavar suas feridas, limpar as sujeiras do mundo. Água de mar para temperar. Água de rio para adoçar. 



E um dia ele se entrega sem resistência: sou todo seu. Com a coragem e a confiança que só os tímidos têm. Deus me faça capaz de merecê-lo. Porque é o melhor amor do mundo. 

terça-feira, 16 de julho de 2019

Também sofri machismo na política

Nos anos 1980 participei de várias diretorias da AMAR- Associação de Músicos Arranjadores e Regentes que recebeu compositores e intérpretes para se fortalecer. 

Em 1990 foi eleita uma chapa na qual eu era a Presidente e Gilberto Gil, vice. Só que pelo fato de ser mulher os donos do feudo achavam que eu seria um fantoche. Quando a diretoria decidiu cortar verbas extras que favoreciam antigos dirigentes começou a baixaria pelas minhas costas. Uma das piores foi dizerem que eu fiz um acordo com a ABERT em relação aos direitos autorais pagos pelas emissoras de rádio e TV. 

Gil ligou de Montreux onde participava do Festival, para Paulinho da Viola. Queria esclarecer essa notícia que tinha chegado a ele. Foi graças ao Paulinho que me ligou em seguida que descobrimos que membros da antiga diretoria estavam me caluniando. Inclusive enviando cartas aos associados mentindo sobre meus atos. Depois dizem que só na política partidária o jogo é sujo. Entre artistas também. 


(Essa e outras histórias estarão no meu livro de memórias  “Essa Mulher”.) 

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

RECEITA DE MEU HOMEM



Os muito machos que me perdoem
Mas ternura é fundamental
Antes e depois da desordem
E das ordens do amor natural
Mas é bom que tenha mão forte
Para me levar aos céus
E me regatar dos infernos
E boca que deixe marcas
Mas nunca feridas incuráveis
E que sendo jovem tenha profundeza
E mais velho, alguma leveza
Que mesmo sendo rico
Tenha a generosidade dos pobres
E pobre, a altivez dos nobres
De qualquer etnia ou credo
Mas nenhum fanatismo histérico
Respeite minha inteligência e intuição
E não diga que não vejo o que estou vendo
Que mesmo diante de mulheres lindas
Lembre das belezas que revelo
E comigo jante e durma todo dia
O resto do tempo eu o empresto
Que não se envergonhe de pedir colo

Que seja diferente, mas não muito

Goste como eu de mesas fartas
Camas quentes e amores sólidos

E mais que tudo reverencie o amor
Como disse Adélia, essa palavra de luxo.

(Ana Terra 22/07/2010)

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Declaração de voto em CIRO GOMES para presidente



Ana Terra RJ  11/09/2018

Por que decidi votar em Ciro Gomes para presidente? Lula está impedido, injustamente, mas está. Eu sempre votei primeiro em Brizola e em Lula no segundo turno. Embora considere um erro histórico o petista não ter aberto mão da candidatura e apoiado Briza até porque antiguidade é posto. Ele limparia o campo para o PT cassando a concessão da Rede Globo e implantando com Darcy Ribeiro o melhor projeto educacional que o país teria.
A divisão da esquerda deu ruim. Deu Collor. E insistindo em fazer o sucessor em vez de apostar em Ciro outra vez erra.
Com a morte do gaúcho passei a trabalhar pelo PT e continuei minha luta em defesa do núcleo criativo da música brasileira: compositor, músico, intérprete sempre usurpado pelo poder econômico.
Com Gilberto Gil no Ministério nossas esperanças de avançar questões da classe nos moveu a organizar grupos de trabalho no Brasil inteiro para levar propostas ao ministro que nos enfiou goela abaixo o modelo instituído por Collor para negócios e inadequado para a Cultura: Câmara Setorial. Aceitamos porque se não tem tu vai tu mesmo. Erro nosso. Trabalhamos sem remuneração durante anos para nada. O poder econômico tinha poder de veto às propostas dos músicos!!
Até fui indicada pelo PT no segundo mandato para coordenar o Centro de Música da Funarte - CEMUS sucedendo à super gestora, compositora e cantora Ana de Holanda, sempre fiel à sua classe e que foi diretora quando Antônio Grassi foi presidente. E que mais tarde foi indicada por Dilma para Ministra da Cultura. Brilhante, politizada, competente foi sabotada e derrubada por canalhas. O PT não moveu um dedo para defende-la. As correntes fisiológicas massacraram as ideológicas.
Eu também fui sabotada de todas as formas e um paraquedista ocupou meu lugar, indicado pelo sucessor de Gil. Mas os detalhes estarão nas minhas memórias que estou escrevendo para lançar quando completar 70 anos.
Minha indignação explícita e publicada era a pergunta que eu não conseguia calar: como o Partido dos Trabalhadores prioriza o capital e não o trabalho!!??
O Lula foi o melhor presidente do país, concordo, mas outros podem e devem superá-lo. É um preso político, concordo, devemos lutar com todas as forças contra essa e todas as injustiças.
Mas agora é a vez de apostar no Ciro Gomes, uma versão nordestina de Leonel Brizola e do mesmo partido dele. Li seu programa de governo e é mais avançado que do PT.
E para terminar um motivo simples: eu também sou marrenta como Leonel e Ciro.